sexta-feira, 6 de maio de 2011

Pensando na vida... e em algum Dia das Mães já vivido...



Tenho vivido dias tão intensos ultimamente, tão especiais, ligados à família, a lugares que nos deram muitas alegrias, que ouvi este trechinho da música "Quero" da Paula Fernandes e fiquei aqui pensando na vida, cheia de saudades de momentos e de pessoas que não voltam: meus pais e meus sogros, que coloriam a minha vida ainda mais... O almoço do Dia das Mães era na mamãe e o do Dia dos Pais era na minha sogra e ambos eram ocasiões de uma alegria só!!


Mas a vida segue e a saudade agora não dói mais, apenas emociona...

"Eu tô com saudades
Da nossa amizade
Do tempo em que a gente
Podia se ver
Eu não sou palavra
Eu não sou poema
Sou humana pequena
A se arrepender..."
No meu outro blog , palavrArteira, escrevi, há uns dois anos, esta lembrança dos meus dias das Mães e compartilho aqui com vcs.

"Dia das Mães de algum ano antes de 1999:



Felicidade? É isso:


Acordávamos cedo. Filhos ainda dormiam e as visitas também (de vez em quando um dos irmãos dormia aqui com a família), mas nós tínhamos de agilizar tudo, pois os meninos (meus irmãos e suas famílias) não demorariam a chegar para comemorar o Dia das Mães com a mamãe, que morava bem aqui ao lado (eu tive o privilégio de tê-la morando pertinho de mim nos últimos anos de sua vida). A geladeira já estava cuidando das sobremesas, feitas na véspera. Neuza e Libinha ajudavam aqui e depois todas íamos ajudar a mamãe nos preparativos do almoço, que era sempre uma festa, enquanto os meninos.... (os adultos seriam sempre "os meninos") Sabe onde estavam? No barzinho da esquina papeando ou tomando cerveja, claro!!! Só vinham quando dizíamos que a comida estava pronta. E a comida? Lembra? Comida de mãe: arroz, feijão , frango cozido e depois colocado no forno, carne assada (hummmm...) alguma salada diferente , e o inimitável macarrão, delicioso, saudoso, desejado macarrão, feito com a borra da carne assada e massa de tomate, e que só ela conseguia deixar com aquele sabor. Ela, a D. Conceição, que corria pra lá e pra cá, sem saber se beijava os netos, se recebia os vizinhos, se ria com as filhas e noras amadas(nem falo em genro, pq meu marido era o único, mas para ela, sempre foi mais um filho), se abraçava os filhos, se mexia as panelas. E sempre rindo. De vez em quando ia ao espelho do banheiro e ajeitava o cabelo, porque sempre podia aparecer algum engraçadinho com a filmadora. (Ah, meu filho, não me filma não...) Abençoada filmadora, que agora traz seu sorriso de volta nos vários filmes que consegui recuperar. A falação era tanta... as conversas cruzadas, a televisão com som alto, os netos adolescentes gargalhando no quartinho (contando alguma peripécia, com certeza!), os pequenos correndo pra lá e pra cá, mas ninguém se importava. Aquele era o som da felicidade, da alegria, da vida que a gente conhecia e apreciava tanto. Porque ela tinha o dom de nos proporcionar uma alegria tão intensa... Sua casa era o ninho, o coração, o abrigo, o aconchego, o lar mais desejado e festejado que podia haver. Luxo não tinha, a casa era pequena para abrigar tanta gente, mas o amor transbordava em cada canto!!! E nós sorvíamos tudo isso com avidez, mas sem imaginar que um dia acabaria. Muitas vezes, depois de toda essa festa, ela ficava de cama. Porque a sua perna inchada novamente dava trabalho. Mesmo no meio dos preparativos, ela já estava sentindo dores, mas não falava. Agüentava bravamente até o fim do dia. E desabava, depois que todos tivessem voltado para suas casas com a sensação de terem vivido um dos momentos mais felizes de sua vida. E talvez, no seu delírio de febre, imaginasse que aquele era o seu paraíso. Porque a vida para ela era isso: distribuir amor incondicionalmente, e boa comida...
Que saudade, mamãe. Se você, hoje, estivesse aqui, minha casa não teria o silêncio que tem agora. Eu não estaria me aprontando para almoçar em um restaurante qualquer e nem estaria aqui, com as lágrimas correndo, cheia de saudade daqueles dias tão felizes com a família toda reunida.


PS.: Meus filhos sabem, lendo aqui, que não estou triste , pelo contrário, como mãe, estou realizada e feliz. Um deles está aqui e o outro já ligou cedinho. Estou apenas saudosa, como filha e como nora, porque nunca mais terei dias como aqueles. O tempo não volta, infelizmente. Mas essa saudade não me impede de curtir nossos momentos maravilhosos."

11 comentários:

BIG artes.com disse...

Boa Tarde.
Feliz dia das Mães :)
seu blog está lindo....

beeijos =*
um ótimo final de semana

Ro disse...

Ai Amiga , to aqui chorando , você não sabe o quanto me vi em seu texto. Chamo isso de saudade de colo.Pois ainda que tenhamos muita gente que nos ame e nõs de um ombro em que nos apoiar , só uma mãe pode dar colo.
Deus te abençoe.
Mil beijos

Casa das Bonecas de Pano de Ipiabas disse...

Oi querida eu li muito lindo vc é boa para escrever, gosto do sempre escreve feliz dia das Mães para vc bjs com carinho Leila

Gisela Marini Dias disse...

Que lindo!
Me transportei para uma época muito gostosa enquanto minha avó era viva. As reuniões eram tão felizes e bem do jeitinho que vc contou. Me emocionei.
Um belíssimo Dia da Mães, com muito amor!

Jujuba Arteira. disse...

Olá, estava visitando alguns blogs e adorei o seu, meus parabéns. Desejo muito sucesso pra ti! Poderia visitar meu blog? É novo, e estou tentando divulgá-lo. Ah, segue lá se gostar, beijos.

Nile disse...

Oi Veronica.
Estou aqui encantada e emocionada com a sua linda homenagem.
Feliz dia das mães para voce.
bjtos.Nile.

Casa das Bonecas de Pano de Ipiabas disse...

Oi querida Veronica, feliz dia das Mães Dona Conceição segunda, que bom as pessoas acham que pareço com minha linda e amada, é a vida prima te deixo um abraço com carinho e lindo demais o que escreveu bjs Leila

Fê Dutra disse...

Oi Veronica, que bela mensagem.
Emocionante.
Vim pra te desejar um Feliz dia das mães.
Quando aparecer por aqui, entre em contato pra gente se conhecer.
Um beijo

Gisela Marini Dias disse...

Verô, muito obrigada pela visita e pelo comentário na almofadinha de passarinho.
Vc é muito atenciosa e carinhosa.
Te desejo um linda semana.
Beijão :)

Edlena Franklin disse...

Muito comovente seu texto! Essas recordações trazem sorrisos e lágrimas, e valem cada suspiro de saudade... Cheiros, sabores, cores, sons e toques de carinho carregam nosso passado e com ele tantos momentos felizes! Importante pensarmos que agora nossa felicidade é diferente, madura, não ficarmos presas a um tempo que não mais volta e nos doarmos às novas gerações para que elas lá na frente também nos associem a momentos bons...
Um grande beijo

Jussara Gehrke disse...

as boas lembranças embalam nossa vida... saudade dói, mas nos deixa felizes por termos vivido aqueles momentos...

Verônica, faz tempo que não faço mais postagens sobre selinhos para blog (rsrs... cheguei até a fazer lá no comecinho há uns 5 anos), mas recebi um de uma amiga que mora longe e me deu vontade de fazer lá no Juju. Como na regra tem que indicar blogs, fiz a minha lista e o seu está lá, mas isso não quer dizer que precisa fazer um post ou usar o selo, vejo como uma forma de carinho por vc e reconhecimento de que seu blog é bacana e eu gosto muito, por isso indico, é também uma maneira de conhecermos mais blogs.
Vai lá dar uma espiadinha quando puder.

http://jugehrke.blogspot.com/

beijo
Ju